Cleiton Fiuza

Blog

Indique o seu endereço de email para subscrever esta página e receber notificações de novos posts por email.

O povo continua o mesmo…

Jesus ouvia cada pedido, não é mesmo? Ainda bem que as coisas (e as pessoas) mudaram de lá para cá…

“Alguém da multidão lhe disse: “Mestre, dize a meu irmão que divida a herança comigo”. Respondeu Jesus: “Homem, quem me designou juiz ou árbitro entre vocês?”. Então lhes disse: “Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo tipo de ganância; a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens”. Lucas 12:13-1510989167_10203212781592131_7067991423716085750_n

Você tem fama de estar vivo, mas está morto!!!

“Talvez o maior desafio da igreja ocidental não seja a franca impiedade ou a perversão grosseira, mas sim um estado letárgico que nos faz entorpecidos e sem vida. Talvez, em meio à nossa ambivalência e autossatisfação, nós tenhamos esquecido aquele que vem “como ladrão” na hora em que menos esperarmos. Talvez precisemos parar de nos darmos tapinhas nas costas, dizendo “Paz! Paz” quando não há paz, e começar a buscar ser como aquelas “poucas pessoas” em Sardes “que não contaminaram as suas vestiduras”, que andarão de branco junto com Jesus, “pois são dignas” (Ap.3.4).

Por mais irônico e contraintuitivo que possa parecer à primeira vista, a igreja geralmente é mais forte quando está diante de algum desafio específico (seja doutrinário ou moral); e o oposto também é verdadeiro: que a igreja está em gravíssimo perigo quando as águas estão mais calmas e quando a viagem parece mais tranquila. Se os cristãos em Sardes estivessem enfrentando uma ameaça doutrinária específica como os efésios, então muito provavelmente eles teriam “[posto] à prova os que a si mesmos se declaram apóstolos e não são, e os [achado] mentirosos” (2.2). Ou, se estivessem enfrentando um dilema moral concreto, eles, como os de Filadélfia, provavelmente teriam usado a “pouca força” que tivessem para não negar o nome de Jesus (3.8). Mas, quando a vida da igreja parece seguir seu caminho usual, especialmente em uma cidade tida por impenetrável como Sardes, é muito fácil parar de observar, parar de proteger e parar de ser vigilante em guardar a igreja e o seu povo. Em uma palavra, quando os lobos se vestem de ovelhas e Satanás parece um anjo de luz, de repente se torna muito tentador contentar-se com celeiros maiores, mais programas e a reputação de ser uma testemunha “vibrante” na comunidade. Em meio à fartura e num contexto de abundância, a presunçosa afirmação à alma – “tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e regala-te” – pode ser ouvida em muitos salões de igreja.”

Fonte: Voltemos ao Evangelho

Para pensar…

Algumas palavras de Jesus não eram tão fáceis de escutar… mesmo assim, foram registradas para que nós, dois mil anos depois, ainda pudéssemos escutá-las.

“Jesus continuou:

— Meu pequeno rebanho, não tenha medo! Pois o Pai tem prazer em dar o Reino a vocês. Vendam tudo o que vocês têm e deem o dinheiro aos pobres. Arranjem bolsas que não se estragam e guardem as suas riquezas no céu, onde elas nunca se acabarão; porque lá os ladrões não podem roubá-las, e as traças não podem destruí-las. Pois onde estiverem as suas riquezas, aí estará o coração de vocês.

E Jesus disse ainda:

— Fiquem preparados para tudo: estejam com a roupa bem presa com o cinto e conservem as lamparinas acesas. Sejam como os servos que esperam pelo senhor, que vai voltar da festa de casamento. Logo que ele bate na porta, os servos vão abrir. Felizes aqueles servos que o senhor encontra acordados e preparados! Eu afirmo a vocês que isto é verdade: o próprio senhor se preparará para servi-los, mandará que se sentem à mesa e ele mesmo os servirá. Eles serão felizes se o senhor os encontrar alertas, mesmo que chegue à meia-noite ou até mais tarde.

Lembrem disto: se o dono da casa soubesse a que hora o ladrão viria, não o deixaria arrombar a sua casa. Vocês, também, fiquem alertas, porque o Filho do Homem vai chegar quando não estiverem esperando.
O servo fiel e o servo infiel.

Então Pedro perguntou:

— Senhor, essa parábola é só para nós ou é para todos?

O Senhor respondeu:

— Quem é, então, o servo fiel e inteligente? É aquele que o senhor encarrega de tomar conta da casa e de dar comida na hora certa aos outros servos. Feliz aquele servo que estiver fazendo isso quando o senhor chegar! Eu afirmo a vocês que, de fato, o senhor vai colocá-lo como encarregado de toda a sua propriedade. Mas imaginem o que acontecerá se aquele servo pensar que o seu senhor está demorando muito para voltar. E imaginem que esse servo comece a bater nos outros servos e servas e a comer e a beber até ficar bêbado. Então o senhor voltará no dia em que o servo menos espera e na hora que ele não sabe. Aí o senhor o punirá severamente e o condenará a ir para o lugar aonde os desobedientes vão.

— O servo que sabe qual é a vontade do senhor, mas não se prepara e não faz o que ele quer, será castigado com muitas chicotadas. Mas o servo que não sabe o que o senhor quer e faz alguma coisa que merece castigo, esse servo será castigado com poucas chicotadas. Assim será pedido muito de quem recebe muito; e, daquele a quem muito é dado, muito mais será pedido.”. Lucas 12:32-48

De que valeria ao homem ganhar o mundo inteiro se viesse a perder-se no seu caminho de busca?

“Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á.
Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?” Mateus 16:24-26

Há exatos 15 anos, fui confrontado de forma muito pessoal por essa argumentação Jesus. Do que me valeria “ganhar a vida” que ainda tinha pela frente, se isso implicasse também em “perdê-la”? Naquele dia, entendi que esse “renunciar-se a si mesmo” envolvia muito mais do que dizer um “não” esporádico para alguma regalia com a qual a vida quisesse me presentear, mas que seria uma coletânea de decisões diárias contra o meu eu, os meus desejos mais íntimos e a minha vontade egoísta de querer o meu próprio bem esteja acima dos demais. Entendi que o “tomar a sua cruz” seria muito mais do que apenas afirmar “morri com Cristo”, mas que seria um caminhar constante na direção da própria morte, ninguém que carrega a sua cruz foge do calvário. Entendi que o “siga-me” não referia-se apenas a um levantar de mão e a adoção de uma sequência de atividades ritualísticas que me definiriam como “cristão”, mas referia-se a pisar nos seus passos, imitá-lo nas suas atitudes e conhecê-lo de forma mais profunda por andar próximo a ele.

Entendi que se eu quisesse “ganhar a minha vida”, encontrar um sentido para ela, descobrir o propósito de estar aqui, ser útil na minha breve existência nesse mundo, teria que “perdê-la”. Mas, não simplesmente abrindo mão de decisões, escolhas e sonhos pessoais para viver os de outras pessoas, como tantos já fazem… essa renuncia só faria sentido se fosse feita por amor a ele, envolvendo os planos e projetos que ele pudesse ter para minha vida. Entendi que longe desse chamado, eu poderia até ter uma vida repleta de conquistas e realizações, de objetivos cumpridos, de muitos risos e momentos inesquecíveis com amigos e família, mas, ainda assim, essa não seria a vida que fui chamado para viver… Poderia ganhar o mundo inteiro e chegar ao final dos meus dias (seja lá quando for) consciente de que muito não passou de correr atrás do vento.

Naquele dia, eu decidi perder a minha vida por amor a ele e, desde então, venho encontrando-a, diariamente, a medida em que tento pisar nos seus passos e segui-lo de perto.

Não sei que outra vida eu estaria vivendo se não tomasse essa decisão dia após dia, mas, sei que, no final das contas, eu acabaria sendo o único perdedor.

De que valeria ao homem ganhar o mundo inteiro se viesse a perder-se no seu caminho de busca?

Pois é…

“Boicote dos evangélicos a Babilônia derruba a audiência da globo” … Para mim, essa notícia só consegue passar uma informação, e não é nada boa: os evangélicos estão dando muita audiência para globo!

Extremismos do nosso cotidiano

Não é porque Cuba é “socialista quase comunista” que tudo lá deve ser ruim, tem muita coisa boa na Ilha de Fidel.
Não é porque os Estados Unidos é capitalista quase imperialista que tudo lá deve ser ruim, tem muita coisa boa na terra do Tio Sam.
Equilíbrio é o que precisamos para avaliar com mais profundidade certos debates extremistas.

McDonald’s entra na onda de brincadeiras e convida Suárez a morder um Big Mac

mcAté o McDonald’s entrou na onda de piadas após o episódio da mordida do jogador uruguaio Luis Suárez no italiano Chiellini, em partida da Copa do Mundo. Em um post publicado no Twitter do McDonald’s Uruguai, a rede de fast-food convida o atacante a morder um Big Mac.

“Olá, @luis16suarez, se você está com fome, venha dar uma mordida em um Big Mac”, publicou a empresa. Até a publicação desta reportagem, a mensagem já havia sido retuitada 38 mil vezes.

A hashtag #BanSuarez (suspendam Suárez) estava entre os assuntos mais comentados da rede social na tarde desta segunda-feira.

O McDonald’s Brasil também brincou com o episódio. “Alguém avisa o Suárez que o McItália é só de quinta-feira :P”, publicou a empresa em seu perfil no Twitter.

A confusão envolvendo Suárez ocorreu segundos antes de Godín marcar o gol da classificação uruguaia. Marcado pelo zagueiro italiano, Suárez deu uma mordida no ombro do zagueiro. Ambos caíram no gramado, mas enquanto Suárez reclamava de dores na cabeça, Chiellini, revoltado com a situação, mostrava as marcas deixadas pelo atacante uruguaio. O árbitro da partida, o mexicano Marco Rodríguez, nada marcou no lance. Na sequência, Ramírez cobrou o escanteio que originou o gol marcado por Godín.

Chiellini reclama de dor no ombro, enquanto Suárez coloca as mãos no dente (Foto: Reuters)

Chiellini reclama de dor no ombro, enquanto Suárez coloca as mãos no dente (Foto: Reuters)

Entre os memes (fotos modificadas para fazer humor com certas situações) que circulam na internet, muitos mostravam o jogador com a máscara de Hannibal Lecter, o icônico canibal interpretado por Anthony Hopkins no filme “O Silêncio dos Inocentes”.  Suárez também foi retratado no pôster do filme “Tubarão”, com o objeto usado para impedir que cachorros mordam suas orelhas e em várias montagens que o mostram com dentes de vampiro.